Archive for the ‘Experimentos’ Category

Especial de férias!

29/07/2010

Totalmente esqueci de colocar um aviso de ausência, mas acredito que a falta de posts e de respostas para os e-mails deram uma dica de que eu tava curtindo merecidas férias, né?!

Voltei ontem de uma semana de descanso e trouxe alguns tópicos para debate na mala! Então, resolvi fazer um especial de férias, com um mega post dividido em partes. Assim, você vai para o pedaço que te interessa mais ou, se estiver com um tempinho, lê tudo!

1. O BÁSICO DE FÉRIAS: FILTRO SOLAR VS. BRONZEADO

Na minha opinião, esse confronto está na lista das maiores mentiras de todos os tempos, junto com a série The Tudors e com o spray que faz crescer cabelo. Não somente é possível ficar com um belo bronzeado enquanto usando o filtro adequadamente, como a cor dura mais e fica mais bonita.

A matemática é simples: a camada protetora criada pelo filtro permite a passagem dos componentes que ativam a melanina da pele, fazendo com que você fiquei bronzeada sem correr riscos de desenvolver câncer de pele, manchas, rugas e todas aquelas coisas infelizes que vêm à cavalo com a exposição desprotegida ao sol. Bronzeado e filtro solar NÃO são fatores excludentes, capisce?

Eu sou a prova vivíssima disso: fiquei da cor do pecado, morena Brasil mesmo, enquanto usando o protetor, corretamente, by the way, reaplicando a cada duas horas e tals. É claro que o bronzeado não vai ser tão rápido quanto sem o filtro, mas com um pouquinho de paciência, ele fica tão bom quanto.

A melhor parte é que a cor que você consegue enquanto usa o filtro solar dura muito mais, porque a ativação da melanina é progressiva. Além disso, você não corre o risco de descascar e ficar parecendo uma cobra trocando de pele, o que eu acho terrivelmente péssimo, e não fica vermelha… Tudo isso veio devidamente informado pela minha dermato, tá?!

Agora, se a coisa já rolou e você já está sofrendo uma descamação básica, muita calma. Antes de qualquer coisa, nunca, jamais, arranque as pelinhas. Isso causa manchas e diminui a resistência de pele. O estrago já está feito e a descamação é um sinal de que sua pele sofreu horrores, então, banhos de hidratante, pelo menos umas duas vezes por dia. E o jeito é esperar a pele uniformizar sozinha e não expo-la novamente ao sol sem filtro. Os buracos que a descamação forma são de pele novinha, tipo bebê, que é bem mais sensível do que o resto.

Agora, se o problema foi pior que o descascado, só na dermato. Queimadura, bolhas e manchas só podem ser tratados por um médico, nunca pela sua amiga, sua vizinha e muito menos pela internet. Eu adoro uma receitinha caseira, mas quando o negócio é mais sério, não me arrisco de jeito nenhum. Só Dra. Gabriela salva.

Então, people, vamos repetir o mantra: Nunca sem filtro solar!!!

2. A PELE DE FÉRIAS

Passei 8 dias e 7 noites sem usar uma única gota de maquiagem. Nada, nadinha, ao ponto de não me reconhecer no espelho de vez em quando. Porque eu sou aquelas que passa rímel e blush para passear com o cachorro, sabe? Durante essa minha semana de férias, somente o filtro solar, o hidratante e a água termal frequentaram meu rosto.

Essa foi a primeira vez, desde que eu me lembro, que eu dei uma folga tão extensa para a minha pele. O resultado foi incrível: depois de dois dias sem make, meu rosto era outro. A pele ficou mais uniforme, sem marquinhas, sem pontinhos vermelhos, bem menos oleosa e com cara de descansada. Foram férias para ela também!

O lance é que a maquiagem, infelizmente, exerce um efeito levemente prejudicial depois de um certo tempo. Se você é como eu e faz seu meu make todos os dias pela manhã, mesmo que você limpe a pele muito bem ao chegar em casa, ela já passou o dia todo coberta com maquiagem. É inevitável que ela fique meio ressabiada.  

Por isso que é essencial dar férias para o seu rosto de vez em quando. O mais indicado é passar pelo menos dois dias por mês sem absolutamente nada. Isso dá uma renovada geral. E, sempre que possível, dar um descanso assim, mais extenso!

***Amanhã eu volto com o resto do post, minha internet tá o fim da picada hoje. Coloco as fotos também!***

Beijos!!

Anúncios

Para ser saudável depois dos 20…

06/07/2010

Honestamente, eu nunca fui uma pessoa intensamente preocupada com a forma física. Acho que regimes restritivos e malhações frenéticas são uma agressão ao corpo e, mais do que tudo, à mente. Não acredito que alguém pode ser feliz sem comer um pedaço de chocolate de vez em quando.

Mas, mesmo com todas as minhas tentativas de parar o tempo, a idade vai passando e a quantidade de anos é diretamente proporcional à quantidade de problemas e, consequentemente, aos efeitos do meio ambiente sobre o nosso corpo. Ando cada vez mais preocupada com a minha saúde, porque, aparentemente, eu também posso ficar velha um dia.

O fato é um somente: eu não tenho tempo nem energia para fazer dieta e odeio mortalmente fazer exercícios físicos desse tipo mais comum no dia a dia. Problema, né? Porque essa costuma ser a dupla dinâmica das recomendações médicas. A luz me veio conversando com uma amiga cuja vida é tão atribulada quanto a minha (brainstorming é tudo, hehe!).

Minha queridíssima me ensinou dois truques que têm funcionado lindamente para mim! Número 1: a história do lanchinho da tarde, como vovó já dizia, realmente faz toda a diferença. No clima da copa, a regra é clara: se você almoça lá pelo meio dia, 13h00, às 16h00 você já vai ter uma fominha básica. Se a gente não botar nada pra dentro, às 19h00 vamos ter um buraco no estômago. Daí, obviamente, eu chegava em casa querendo comer um boi no rolete. Fazendo uma boquinha rápida às 16h00, eu consigo me comportar como um indivíduo civilizado quando chego em casa!

Lanchinho saudável para não fazer ogrice no jantar

Com isso, chegamos à dica 2: essa vida de mulher moderna tem algumas desvantagens. Entre elas, a necessidade de comer fora, e voando, durante a semana. Com isso, a gente totalmente negligencia a alimentação e acaba não consumindo alguns nutrientes essenciais para o bom funcionamento do corpo. Essa era a minha maior preocupação, porque eu sei que se eu comi um pão de queijo no almoço e um quiche no jantar, eu não comi as vitaminas e blá blás que eu precisava, né? Daí eu fico doente, óbvio, porque stress e ansiedade somados com má nutrição resultam em uma bomba insalubre…

Foto que eu achei bonita, além de ser aquilo que eu deveria estar comendo todos os dias...

 

Mas, de volta à conversa, ela me disse que sua nutricionista deu uma receita muito simples para resolver esse problema: a tabela NuVal. Trata-se de uma análise feita pelos cientistas nutrólogos de uma universidade americana, na qual eles dão notas para os alimentos. Os mais nutritivos e que mais fazem bem ao corpo recebem notas altas, enquanto os que não acrescentam nadinha, notas vermelhas, pegaram?

Exemplo de como funciona a NuVal

A sugestão da doutora é transformar o jantar em uma refeição mega nutritiva, fazendo um sopão ou um cozido com os alimentos que têm as melhores notas. Adorei a dica porque eu adoro sopa e gosto muito de cozinhar. Chego em casa, escolho os legumes e vegetais que mais me apetecem naquele momento, pico tudo, refogo com alho e cebola, cubro com água e acrescento um potinho de caldo de legumes ou galinha, desses sem gordura, e prontooo!! Leva meia hora e tem todos os nutrientes que a gente precisa. Sensacional, porque é rápido, fácil, indolor e, confesso, bem saboroso!

Você pode variar os ingredientes todos os dias, contanto que sempre inclua um ou dois que tiveram nota máxima. O importante é manter os ingredientes sempre na casa da nota 80. Você encontra a tabela NuVal no site deles (clicando aqui), que traz as notas de todos os alimentos, além de várias diquinhas bacanas sobre alimentação e como fazer uma compensação daquilo que a gente come, tipo, se hoje é dia de happy hour e você vai comer frango à passarinho e (muita) cerveja, tem que comer carne magra grelhada, saladinha e essas coisas todas no almoço. Super bacana, eu recomendo!

Beijos!

P.S.: Não, eu não passo fome depois de comer a sopa (flor, eu não passo fome nunca, rsrsrs) e, sim, depois eu posto a receita “formal”!

Um rímel para chamar de seu

10/06/2010

O politicamente correto é a gente falar “máscara para cílios”, né? Mas eu sou daquele tempo que a gente fala rímel mesmo. E sempre que me perguntam qual é o melhor rímel de todos, minhas resposta é ensaiada: depende! Depende de um mundo de coisas, minha gente. Mas a pergunta chave aqui é: qual é o efeito que você quer?

O lance é o seguinte: os cílios são basicamente iguais aos cabelos. Cada um tem o seu, com as suas particularidades. Da mesma forma que o shampoo que deixa o meu cabelo lindo, um produto power para cabelos tingidos, vai deixar o cabelo da minha amiga de raiz mega oleosa um nojo.

Portanto, empregar a arte da observação é essencial para escolher um rímel que caia como uma luva pra você (e não jogar um rio de dinheiro fora). Eu, por exemplo, tenho os fios retos e ralos (igualzinho ao cabelo). Dessa forma, meu rímel ideal precisa curvar e dar volume. Eu não acredito em rímel sem curvex, mas essa é uma alucinação minha. Conheço meninas que conseguem um bom efeito só com a tinta. Se os seus cílios são curtos, você precisa de um produto que alongue. Se são espaçados, precisa de um preencha o espaço entre os fios. Esse é o ponto 1.

Ponto 2: Não confie demais no fabricante. Se dependesse do que eles falam, todos os rímeis fariam milagre. Na hora de comprar é importante prestar atenção no aplicador e na densidade do produto. Testa mesmo, sem vergonha. A matemática do aplicar funciona mais ou menos assim:

Cerdas curtas e grossas: retêm o produto entre as fios e aumentam o volume dos cílios.

Cerdas finas e duras, tipo um pentinho: alongam os cílios e impede que o produto “empelote” nos fios.

Escovinha clássica ou em espiral: ótimo para dar volume. É o modelo mais indicado para quem tem poucos fios.

Escovinha côncava (em formato de C): volume e curvatura em um só produto. Essa é a minha escolha!

Cerdas que parecem um ouriço: o negócio dele é que a escovinha permite que você aplique o produto em qualquer ângulo. É meio tricky, tem que ensaiar.
Vamos lá, da esquerda para a direita: 1. Cerdas curtas e grossas, o primeiro tipo. 2. Variação do pentinho. 3, 4 e 5. Variações da escovinha clássica. 6. Pentinho. 7 e 8. Escovinhas côncavas. 9. Ouriço. 10. Escovinha de cerdas coloridas. Igual ao resto, mas te permite saber quando o rímel está acabando.
 
O preço do seu escolhido pode variar entre todas as cifras possíveis. Dá para comprar Maybeline na farmácia por R$ 13,00, ou Chanel por uns R$ 200,00. O meu escolhido, o rímel que eu chamo de meu há anos, é o Hypnôse, da Lancôme. Eu uso o Hypnôse Drama (R$ 142,00 na Sacks) combinado com o Hypnôse normal. O Drama dá um mega volume e o normal faz a curva perfeita (o mesmo preço, na Sacks).
Eu, pessoalmente, não gosto e não uso rímel a prova d’água. Pelo seguinte: a fixação do produto é tanta que retirá-lo se torna um tarefa dantesca. Se você não tiver muita paciência e um demaquilante dos mais potentes, o rímel arranca seus cílios (e a gente já debateu sobre como eles demoram pra crescer, né?). Além disso, a cor pra mim é sempre preto, mas o rímel marrom fica lindo nas loiras e nas clarinhas. E, na minha opinião, rímel verde só fica bem na Lady Gaga, quando eu to de bom humor para testar meus limites (a Vogue não vai me convencer do contrário). Mas isso é uma escolha muito pessoal, né?
Concluindo a sessão de hoje, lembra quando eu falei sobre o Hypnôse Precious Cells (nesse post aqui), o  novo produto da Lancôme que promete ser mais do que um rímel, mas um tratamento para os cílios? Testei! Estou usando faz duas semanas e estou gostando do resultado. Já observei que os meus cílios estão um pouco mais cheios e mais resistentes. Acho que valeu o investimento!! Conto mais assim que tiver completado um mês, que é o tempo que eles te dão para ver resultados.
Se aparecer alguma angústia, me escreve!
Beijos!!

O ácido nosso de cada inverno

25/05/2010

Sabe quando você era pequenininha e a sua mãe te ensinou que botar o dedo na tomada não é bacana, porque acarreta uma série problemas? Isso eu aprendi na marra, mas a minha mãe me ensinou uma coisa que hoje eu considero muito mais importante: que o Sol danifica profundamente a pele e que o protetor solar é meu melhor amigo.

Se você ainda não internalizou essa máxima (alô, Laura e Joana?), o inverno é o momento ideal para correr atrás do prejuízo. Como a incidência de raios UVA e UVB está bem menor nessa época do ano, essa é a temporada para se dedicar aos tratamentos com ácidos e outras formas de peeling para amenizar os estragos do verão.

Foto tirada com filtro ultravioleta, que revela todos os estragos causados pelo Sol

Eu nem vou começar com o discurso sobre envelhecimento precoce, manchas e câncer de pele porque todo mundo já decorou essa parte, né? Então, se por acaso te apareceram aquelas machinhas castanhas pelo rosto, ou tem uma linhazinha de expressão a mais na sua testa, procure rápido um bom dermato e joga um ácido em cima delas. Agora é a hora! Esses são os tipos mais utilizados atualmente:

Retinóico

Promove a esfoliação e estimula a produção de colágeno, substância que é responsável pela firmeza da pele. Ele também reorganiza as fibras elásticas danificadas pela exposição solar e melhora a irrigação sangüínea da pele (resultado: pele mais luminosa). Esse tratamento pode ser feito no rosto, pescoço, colo e mãos, em concentrações diferentes.

Glicólico

Devido ao seu excelente poder de penetração na pele, ele tem várias aplicações dermatológicas e é utilizado para melhorar a aparência e a textura da pele. Pode reduzir rugas, cicatrizes de acne, hiperpigmentação e melhorar outras várias condições da derme. É o alfa-hidroxi ácido mais amado do mercado.

Mandélico

De efeito muito semelhante ao do retinóico, ele é menos fotossensibilizante, ou seja, se você mora na terra do eterno verão, tipo cidades do Nordeste, ele é o mais indicado. O tratamento é mais demorado porque ele tem que ser aplicado e retirado no consultório do dermatologista.

Adapaleno

Derivado do ácido naftóico, ele também tem propriedades semelhantes às do retinóico, mas se mostrou mais eficaz contra as cicatrizes de acne. Ele também age como antiinflamatório e ajuda a controlar a bactéria que causa acne e as malditas espinhas.

Ácido kojico e hidroquinona

São despigmentantes, ou seja, eles agem retirando a melanina da pele e despigmentando áreas afetadas por manchas grandes.

Não importa o tipo de ácido ou tratamento que você escolher, é sempre muito importante ter em mente que todos eles são irritantes e fotossensíveis, ou seja, alguma vermelhidão e ardor são normais. O bloqueador solar é absolutamente obrigatório enquanto estiver utilizando qualquer tipo de ácido.

Beijos!

Experimento do dia: Laser

17/03/2010

Às vezes eu acho que pêlos são a verdadeira praga da humanidade. Tipo uma coisa que saiu do inferno para enlouquecer todas as mulheres do mundo. O meu relacionamento com os meus pêlos sempre foi estável, claro que nunca foi uma relação de amor, mas também não vou dizer que a gente vivia, assim, no ódio.

A únca parte do corpo na qual eu arrisco a cera é mesmo a virilha (porque fica mais bonitinho, né, gente!), mas tenho horror a pêlo crescendo na perna e na axila. Daí sempre recorri a pinça e a lâmina, porque a cera exige aqueles milímetros a mais que eu simplesmente não suporto.

A rotina que toda mulher sabe de cor...

E tudo corria bem até que os malditos pêlos da minha axila resolveram se rebelar contra a minha autoridade e começaram a crescer feios e desordenados, além de inflamar e formar aquela bolinha vermelha medonha, sabe?

Foi aí que eu tomei a decisão que há tempos eu vinha adiando: liguei pra minha dermatologista e marquei minha primeira sessão de laser para depilação definitiva!

Vamos aos resultados: a primeira pergunta que o mundo me fez foi “dói?”. Dói. Loucamente. Eu não achava que era humanamente possível sentir tanta dor e não morrer. Mas, assim, mulher meio que ta acostumada a sofrer pra ficar bonita, né? Dá pra sobreviver.

Nos primeiros dias ficam alguns pontinhos, que são as raízes queimandas dos incovenientes. Essas casquinhas vão caindo aos poucos e vão revelando uma axila linda, lisinha e sem pêlos!! A região fica dolorida e sensível por mais ou menos uma semana, mas o resultado final é maravilhoso!

Faz extamente um mês que eu fiz a primeira aplicação e nunca mais me nasceu nem um único pelinho! Minha dermato disse que só essa sessão foi o suficiente e que eu posso refazer só daqui a uns 3 anos!

O investimento foi de R$ 350,00 e eu posso afimar que estou 100% feliz com o resultado! Tenta e me conta o que vc achou!

Beijos!

Depilação a laser: que dói, dói. Mas vale a pena!