Archive for the ‘Inspirações’ Category

Emmy Awards 2010

01/09/2010

To atrasada, eu sei… Eu sou uma fã confessa de premiações de todos os tipos. Não é só porque eu acho que essas festas resgatam o clima de glamour que a gente vem perdendo cada vez mais, mas porque acho sensacional ver celebridades no meio de celebridades. É quase um metateatro! Mas vamos ao que interessa: cabelos, maquiagens e vestidos! Na minha opinião, essas são as melhores e piores:

Listinha dos piores:

1. Stephanie Pratt. Não assisto The Hills e não sei quem é essa moça, mas ela parecia um saco de estopa. Vestido estilo pijama esquisito não combina com a maior premiação do seu ramo. Cabelo com cara de acabei de acordar cai bem quando o resto “orna”, como diria a Vanda.

2. Lauren Grahan. Eu amo a Lorelai, mas ela estava parecendo uma vovó nesse vestido. Não caiu bem. O cabelo tinha tudo para ser maravilhoso, mas não me conquistou.

3. Anna Paquin. Eu tinha achado esquisito. Tinha algo que não me caia bem, mas eu não sabia exatamente o que. Daí a comentarista da TV falou que parecia uma roupa de toureiro. É isso mesmo, eu vejo esse vestido em Madrid. Ta bom que o “assessório” ajuda…

4. Sofia Vergara. “Ah, mas ela entrou na lista das mais bem vestidas, lálálá”. Ta, mas eu achei que ela ta parecendo uma banana.

Listinha das melhores:

1. Jewel. Adorei o vestido com cara de “cheguei de Paris”. Gosto de coisas exóticas, mas sem ser roupa-instalação. Aliás, me lembrou o vestido da Anna Kendrik no Oscar, que eu amei.

2. Tina Fey, sempre. Para mim é uma das únicas pessoas nesse ramo que realmente sabem ser elegantes. Ela é muito discreta, mas sempre muito bem vestida. E humor é tudo.

3. Kim Kardashian. Não gostei da maquiagem, basicamente porque eu acho que o lábio riscado de lápis mais escuro que o batom é a coisa mais anos 80, no mau sentido, da paróquia. Mas o vestido estava maravilhoso e o cabelo, muito apropriado para o estilo.

4. Kelly Osbourne. Eu acho a moça feia que dói, mas até que ela disfarça bem. O vestido é lindo de morrer e cai super bem. A maquiagem e o cabelo também valorizaram demais o estilo vintage chic dela.

 Queria falar mais, mas o trabalhando anda me consumindo ultimamente! Me contem o que vocês acharam!

 Beijos

Os musos da Copa 2010!

12/07/2010

Promessa é dívida! Demorei porque estava buscando as melhores fotos e acho que montei uma boa seleção. Vamos eleger nosso favorito??

Cristiano Ronaldo - Nacionalidade: Português

Fabio Cannavaro - Nacionalidade: Italiano

Nicklas Bendtner - Nacionalidade: Dinamarques

Roque Santa Cruz - Nacionalidade: Paraguaio

Xabi Alonso - Nacionalidade: Espanhol

Iker Casillas - Nacionalidade: Espanhol

Mais Fabio Cannavaro

Yoann Gourcuff - Nacionalidade: Francês

Carlos Bocanegra - Nacionalidade: Americano

Diego Lugano - Nacionalidade: Uruguaio

Cesc Fabregas - Nacionalidade: Espanhol

Julio César - Nacionalidade: 100% verde e amarelo!

Ta aberta a votação! Quem você acha que leva a taça de Muso Oficial da Copa 2010? Meu coração está dividido, confesso que não consigo opinar…

Beijos!

TV também é aprendizado!

17/06/2010

Nunca acreditei que revistas de moda devem ser referência para aprendizado. Acho que elas podem, no máximo, trazer inspiração para incorporar coisas novas àquilo que você já estabeleceu como parte do seu estilo, além de servir como um panorama do que há de novo no mercado.

Tenho falado muito sobre a profunda diferença entre estilo e tendência. EU, pessoalmente, acho tremendamente ingênuo achar que estar bem vestida (o) é sinônimo de usar as peças do momento. Já contei várias vezes o “causo” de uma conhecida que saiu usando um cinto fluo com uma calça boyfriend e achou que estava abafando, quando estava, na verdade, parecendo um (enorme) saco de batata amarrado com uma fitinha da CET. Mas o cinto fluo e a calça boyfriend eram os tais must-have daquela estação, e isso bastava para ela.

Não deixe a capa de uma Runway da vida te enganar. Se vestir bem e ter estilo é sinônimo de autoconhecimento e bom senso. E isso se aprende com um pouco de paciência e observação. Essa é a grande mensagem do homem da minha vida: Tim Gunn. No seu programa de TV, o Tim Gunn’s Guide to Style, ele e uma companheira visitam uma moça cansada do próprio guarda-roupa e, com alguma ajuda tecnológica, a ajudam a encontrar as melhores peças para o seu corpo e dão uma mãozinha para que a eleita encontre o próprio estilo.

Eu acho esse programa absolutamente sensacional e já aprendi muito com ele. O Tim se arma de dois itens essenciais para ser um bom professor: carisma e zero de pedantismo. Ele não se pretende um guru de estilo (mesmo essa sendo a tradução do título para o português) e, com toda a paciência do mundo, ele demonstra como você pode utilizar as roupas a seu favor. O programa é transmitido aqui no Brasil pela Discovery Home & Health (canal 55 da NET), todas as quartas-feiras, às 22h00.

Gosto muito do Esquadrão da Moda também, mas confesso que não aprendo muito com o programa. Aprecio, porque acho muito válido tudo que te ensina a fugir da tendência e encontrar sua definição de estilo pessoal. Temos a versão brasileira que me disseram que é muito bacana (ainda não assisti). Acho que o mais bacana desse programa é que ele prova, por A+B, que elegância NÃO depende de peso, altura, tipo de cabelo ou número do sutiã.

Clinton Kelly e Stacy London, do Esquadrão da Moda

Acho que isso é fundamental, porque muitas pessoas desanimam e deixam de se cuidar e dar mais atenção ao visual porque se enchem de desculpas, tipo “já que eu to acima do peso mesmo, nem adianta me arrumar”. Bobagem, total e absoluta. Você pode dar altas risadas com o Clinton e a Stacy todas as quartas-feiras, no Discovery Home & Health, às 23h00, ou ver a lindona Isabella Fiorentino na versão brasileira, aos sábados, às 21h15, no SBT.

Esquadrão da Moda versão verde e amarelo

Além dos programas especializados em moda, seriados também funcionam como grande fonte de inspiração. Eu adoro observar como as minhas personagens favoritas se vestem, especialmente aquelas que eu acho que a personalidade, de alguma forma, se parece com a minha. Meu favorito, nesse sentido e em muitos outros, é Gilmore Girls.

Além de ridiculamente divertido, inteligente e despretencioso, ele é uma aula de como estar bem vestida e elegante sem necessariamente estar na moda. Todas as roupas têm cara de usáveis e compráveis, o que eu acho essencial. Lógico que Sex an the City e Gossip Girl são visualmente bacanas, mas o desfile de Birkins e Louboutins é coisa de TV.

Lorelai e Rory, as tais Gilmore Girls, são vestidas para ser gente como a gente. Elas andam na rua, pegam ônibus, dirigem, trabalham e fazem tudo isso de salto alto (um que não custou o equivalente a 8 salários). Infelizmente, o seriado acabou, mas ainda dá para vê-las na Boomerang (canal 57 da NET), de segunda a sexta-feira, às 19h00. Além disso, as temporadas estão baratinhas e vale muito a pena ter em casa! 

Garotas Gilmore em ação

O clássico e básico Friends também já me inspirou muitas vezes. Amo loucamente as roupas da Phoebe e aprendi com a Monica que camisa fica, sim, muito bacana com colares. O cabelo da Rachel, inclusive, já motivou muitas visitas ao meu cabeleireiro.

Rachel Green em vários momentos

Gente, vocês conhecem mais programas específicos sobre moda?? Me contem os seus favoritos!

Beijos

Sobrancelhas

19/05/2010

Eu sou uma grande admiradora de sobrancelhas. Acho que um arco bem feito, condizente com a sua estrutura facial, limpo e arrumado muda o rosto e dá um ar imediato de elegância e cuidado.

O problema é quando eu vejo aquela sobrancelha detonada. Ou que nunca viu uma pinça, ou toda falhada, com cara de “fiz em casa”. Nossa, me dá uma vontade louca de ir lá e consertar. Quer ver como elas são importantíssimas? Olha a foto abaixo e me diz se você ainda acha essas moças maravilhosas:

É, né… Se você ainda não achava que já era hora de dar mais atenção a essa parte do seu rosto, lembra da Ugly Betty!

Eu totalmente não recomendo fazer mudanças radicais em casa. Por dois motivos: é difícil ter uma noção exata de proporção e tamanho quando você se olha no espelho. É uma questão de óptica. E o segundo, sobrancelha demora horrores pra crescer, então, qualquer errinho vai ficar estampado no seu rosto por uns 3 meses.

O primeiro passo é procurar uma boa designer de sobrancelhas. Ela vai te indicar o melhor desenho, aquele que combina melhor com o formato do seu rosto e dos seus olhos, e que se adapta à estrutura dos seus pêlos. Peça para que ela te ensine qual é o produto mais indicado para preencher as falhas e se você precisa de algum fixador para manter os pelinhos no lugar. Um rímel transparente sempre vai bem para quem tem pêlos grossos ou excesso.

O arco perfeito respeita algumas regras de proporção:

O início da sobrancelha começa em um linha vertical que parte da lateral do seu nariz (ponto A). O arqueamento, ou seja, o ponto mais alto do arco, fica em uma linha diagonal traçada entre a lateral do seu nariz e o canto externo da sua pupila (ponto B). Ela deve terminar em uma linha também diagonal que parte do mesmo ponto do nariz e cruza o canto externo do olho (ponto C). Olha na prática:

Você pode usar esse diagrama sempre que for limpar a sobrancelha em casa, porque a manutenção é tão importante quanto se dar ao trabalho de ir ao salão. Depois te limpar os pelinhos que nascem fora do arco desenhado, você pode aparar os fios longos com ajuda de uma tesourinha de banheiro ou de uma tesoura específica para sobrancelha (ela é meio tortinha). É só pentear os pêlos para cima com ajuda de uma escovinha e cortar aqueles que ficam mais longos do que o traçado superior.

Tesoura para sobrancelhas

Sobrancelhas desenhadas e aparadas, é hora de cobrir as falhas. Você pode fazer isso com lápis, sombras ou produtos específicos para isso (já falei sobre isso nesse post). O importante é ter em mente que não dá para mudar o traço da sobrancelha com maquiagem sem parecer um travesti ou sua tia de 87 anos. O make serve para cobrir as falhas e deixar o arco cheio e valorizado. É só ter bom senso e mão leve que não fica nada artificial. É preciso dar muita atenção à cor, porque fios da sobrancelha costumam ter um tom mais acinzentado.

Se você vai usar lápis, de preferência aos que foram desenvolvidos pra isso. Eles são mais leves e tem uma fixação melhor. Já a sombra é mais fácil, é só se certificar que ela não tem brilho nenhum (porque sobrancelha com glitter só em festa a fantasia). Independente do produto que você usar, eu sempre recomendo passar um pincel chanfrado por cima para tirar o excesso e ficar bem leve.

Dicas de produtinhos: Brow Shadow, da MAC (R$ 70); Solução para Sobrancelhas, do Boticário (R$ 36) e Natural Eyebrow Pencil, da Shiseido (R$ 112). 

Beijos!

O poder do trench coat!

18/05/2010

Entra ano, sai ano, as tendências mudam, voltam, e os ditames da moda ficam cada vez mais excêntricos, inacessíveis e pouco práticos. O que eu vi nesse inverno é uma coleção de peças que não fazem sentido no guarda roupa de uma pessoa que acorda cedo e volta tarde. Eu ainda sou uma daquelas pessoas que acredita que moda é para usar.

Por isso que eu acredito no eterno poder do trench coat. O clássico é um casaco de chuva, que protege do frio e da umidade, feito em couro, algodão ou gabardine, na altura dos joelhos, fechado por botões largos e amarrado na cintura. Foi desenvolvido durante a I Guerra Mundial, por Thomas Burberry (da marca homônima), para ser utilizado pelos soldados que amargavam nas trincheiras. 

Emma Watson com o clássico trench coat Burberry

Para mim, ele é sinônimo de elegância. De Ingrid Bergman (Casablanca, lembra?) e Audrey Hepburn à Victoria Beckham, ele combina com virtualmente todas as ocasiões e todos os formatos. Quer um exemplo? Um trench de cetim, vermelho sangue vira um belíssimo casaco de noite. O clássico de gabardine vai para o escritório, happy hour, shopping, faculdade… Pra onde você quiser!

A chave para usar bem um trench coat é a regra básica da proporção. Se você é baixa, como eu, ele precisa estar acima dos joelhos, para não esmagar a silhueta. Se você está acima do peso, opte pela linha de abotoadura simples, ao invés da dupla. Uma calça skinny por baixo de um trench bem marcado na cintura salva qualquer caso perdido.

O trench na rua

Ele fica lindo com jeans e camisa, com roupa social-escritório e com vestidos, como a Charlize Theron na primeira imagem. A velha regra de que o casaco tem que ter a mesma altura do vestido tá passada. É igual combinar a bolsa com o sapato, se você é da velha guarda e acha essencial, vai com fé, mas se você, como eu, não tem paciência, não importa.

A versão modernosa e meio rock’n roll do trench é a variação mais curtinha dele, que ajuda tanto a silhueta quanto o clássico. Ele também é versátil, mas um pouco mais limitado que o irmão mais velho, porque o longo remete imediatamente a uma idéia mais elegante.   

Jaqueta trench, existe isso?

O importante dele, e de todas as peças de roupa na verdade, é que ele deve ser ajustado ao seu corpo. Mangas tem que ser feitas, barra corrigida e todos os botões precisam fechar confortavelmente, porque o charme dele está em usá-lo fechadinho e amarradinho. (Eu insisto no ponto de que a numeração é só uma referência, nenhuma roupa fica perfeita sem ajustes básicos).

E que venha o inverno!

Beijos!

Baile do Met – parte II

10/05/2010

Aham, to mais calma! Hora de continuar minha análise um pouco retardatária sobre os melhores e os piores do Met Gala. É sempre mais divertido começar pelos piores, né?! Acho que é uma coisa meio freudiana nossa, de se divertir vendo como, mesmo podendo tostar fortunas em make e em roupas, algumas famosas ainda erram feio. Quer um exemplo? Olha só:

Kirsten Stewart provando que Chanel não faz milagre. Tenho a impressão de que ela sofre do mesmo problema da Taylor Swift: inabilidade em abandonar costumes. A diferença é que a Taylor não muda porque fica linda. Mas a distinta aí em cima peca no cabelo (que eu não entendi até agora) e no vestido, inexplicavelmente estranho. A perna dela parece encurtada e mais grossa, completamente desproporcional em relação ao resto. Não vou falar mal do make porque não vi nenhuma foto de perto. E ela nem levou o vampiro gatinho à tiracolo pra enfeitar…

Gwen Stefani pecou no vestido, da grife dela (L.A.M.B.), mas pelo menos tinha o Gavin Rossdale como acessório. E um belo make que salvou o visual inteiro.

Gwen Stefani com o maridão, enfeitando a foto ali atrás

Agora migrando para o top list das melhores da noite! Zoe Saldana se reabilitou depois daquela coisa incompreensível que ela usou no Oscar e arrasou em um Calvin Klein de um ombro só que era elegantérrimo. A cor, um marinho profundo, ficou linda na pele dele e a textura dava muita personalidade ao vestido. O make e o cabelo com perfeição a proposta simple chic do look. Dois dedos pra cima!

Finalizando o post de hoje (pode ser que eu ainda tenha ataques de Met Gala!), as meninas que escolheram o nude acertaram. SJP (forever) estava linda, leve e solta em um Halston Heritage nude brilhoso, com uma pegada vintage. Achei que a combinação do vestido com o arranjo no cabelo, as ondas antiguinhas e o make deixaram a Carr… ops, Sarah com cara de 10 anos mais nova, mas sem fazer muito esfoço. Amei!

Anne Hathaway com um Valentino bem Diário de uma Princesa. Percebam que ela diminuiu o tom do vestido com make e cabelo simples, estilo fiz em casa. Ficou chiquérrima parecendo que nem se esforçou tanto. Claro que a gente sabe que tem muuuuito esforço aí, mas ela meio que te diz “sou linda assim mesmo”.

E o Troféu Lady Gaga da noite vai para… SURPRESA, não é para Lady Gaga dessa vez. Vai para Katy Perry, com um vestido-instalação luminosa. Ela, literalmente, chegou brilhando. Ainda não digeri a idéia totalmente, mas eu adoro uma coisa avant garde, então, acho que eu vou adorar daqui a uns 2 dias… Anyway, to curiosíssima pra saber onde ela ligava esse vestido… Amei o make e o cabelo, mas eu amo sempre porque ela é linda. Ah, antes que eu esqueça, o vestido é de uma marca francesa chamada Cute Circuit.

Não vou comentar sobre o Marchesa da Blake Lively porque eu achei curto demais. Mais uns centímetros de tecido pra baixo e estaria perfeito. Achei too much, meio “vai ter gente famosa demais e eu preciso me destacar”. Não gosto, mas o que sobra do vestido é mesmo muito bonito e bem feito. Marchesa, né? Só que um tamanho menor do que deveria ser…

Me contem o que vocês acharam!

Beijos!!

Baile do Met!

07/05/2010

To super atrasada com esse post, eu sei!! Mas vou fingir que ainda dá tempo…

O Costume Institute Gala é o tradicional baile beneficiente organizado pela Vogue no Metropolitan Museum of Art. Segundo principal evento no quesito red carpet (o primeiro é o Oscar, né?) o Baile do Met, como é conhecido no mundinho, tem uma pegada mais fashion do que todos os outros grand comites que ganham as páginas das revistas.

O problema dessa tendência fashionista é que as pessoas às vezes confundem vanguardismo e informação de moda com pura falta de bom senso. A gente não pode esquecer que o look perfeito é a combinação do traje adequado (à sua idade, ao seu corpo, entre outros fatores) com um make e um cabelo que arrematam tudo com estilo e elegância. Quer um exemplo? A Sienna Miller é linda e acertou em cheio em um make com um olho marcado em cima e boca nude. O cabelo estava mara, com um jeitão bem natural, massss o vestido… Era uma coisa esquisitíssima.

Um dos meus looks favoritos foi o da Camilla Belle, que estava muito fina com um make quase nada, mas um olho de gatinho bem puxado que fez toda a diferença. O vestido, um lindo, elegante e simples Jason Wu, era um dos poucos coloridos com emoção, que fugia do básico preto-metálico-nude.

Camilla Belle de Jason Wu

Já a Rachel Zoe, stylist das famosas, também tentou usar cor, mas eu pessoalmente acho que não rolou. Eu adoro amarelo e adoro textura, mas achei esse look um grande não. Ela é baixinha e esse Marc Jacobs não favoreceu niente.

Rachel Zoe de Marc Jacobs

 ***Update com foto*** Lembrei de uma coisa que eu queria falar. Eu acho a Taylor Swift realmente muito bonita. Mas ela não varia nunca, é sempre o mesmo make olho-nada-bocão-vermelho, com as mesmas ondas vintage e o mesmo vestido romântico. SEMPRE. Taylor, queria ver você diferente! 

Por hoje, vai ser só isso, minha internet, por algum motivo, está pela hora da morte e esgotando a minha paciência. Mas eu volto com mais do Baile do Met assim que meu inferno astral der uma trégua!

Beijos e bom fim de semana!

A febre do país das maravilhas

28/04/2010

Alice, o Chapeleiro Maluco, Rainha de Copas e companhia são, literalmente, o que há no mundo. A versão de Tim Burton para o clássico da literatura “Alice no País das Maravilhas” é assunto em uníssono em todos os cantos do planeta. Depois a gente abre um espaço culturete para falarmos do filme (maravilhoso, by the way! não percam), mas o que tem me chamado a atenção é a quantidade, e variedade, de produtos que o longa tem inspirado.

Dos pés à cabeça e do closet ao banheiro, há lançamentos para todos os gostos. Admito que não me surpreende observar que o filme desperta um je nes sais quoi que deixa as pessoas assim, estupefadas e encantadas com a sua exuberância. O casamento perfeito entre cenografia, maquiagem, figurino e efeitos visuais faz apaixonar até o indivíduo com pouquíssimo apreço pela estética.

De tudo o que eu tenho visto, alguns produtos me chamaram uma atenção especial:

Camisetas da Ellus. Edição limitada, claro, com estampas lindas, baseadas nos rascunhos do design do filme. O preço não agrada: varia entre R$ 200 e R$ 300.

– Coleção de anéis da H. Stern. Uma fortuna impronunciável, mas peças que deveriam ir para um museu, de tão fantásticas. Inspirado, para dizer o mínimo.

– O estojo de sombras Book of Shadows, da Urban Decay. Com 16 cores inspiradas no filme, o estojo é como um livro pop-up, que abre um lindo origami da Alice na floresta. Custa US$ 52,00 na Sephora. Que não entrega aqui… Mais um para lista “mãe, me traz de presente de viagem”.

Sapatilha Melissa Royale, modelo Gato Cheshire. A Melissa criou alguns modelos inspirados no filme, mas esse é meu favorito! Ele vai custar cerca de R$ 100 quando chegar às lojas.

To pesquisando mais coisas lindas e aviso se encontrar mais algum lançamento que me atraia.

Beijos

Musa da semana: Cherie Currie

22/04/2010

Abra qualquer revista de moda ou dê uma busca sobre as principais tendências do momento: Os anos 70 estão com tudo. É um revival do lado boho e cheio de personalidade de uma década marcada por muita atitude.

Já perdi a conta de quantas vezes falamos e falamos sobre os anos 80 como inspiração fashion, mas, eu pessoalmente acredito que esse come back dos anos 70 vai nos fazer muito bem! A moda, ou mais especificamente, a forma como nos vestimos, sempre foi um modo de expressão criativa e pessoal. A partir dos anos 70 começou-se a deixar de lado a pegada totalmente despojada dos hippies para aliar consciência e informação de moda à consciência e informação sobre o mundo. A tendência, apesar de leve, é recheada de mensagem.

Por isso eu escolhi a Cherie Currie como musa da semana e dessa década! Ela foi a primeira vocalista do The Runaways, uma das minhas bandas favoritas de todos os tempos e ícone do rock feminino. Além de continuar na ativa e linda, a Cherie foi uma das principais colaboradoras do filme The Runaways, que sai ainda esse ano, e conta a história da banda e de como essas moças ajudaram a mudar o mundo da música.

O que mais me chama a atenção nela é o cabelo. Esse corte totalmente repicado e cheio de pontas é uma ótima ferramenta para você se sentir imediatamente mais moderna. Claro que não é o caso de fazer idêntico, mas com um toquezinho atual, ele fica fantástico!

Além disso, ela sempre soube como ninguém aliar atitude rock’n roll com feminilidade. Cherie Currie subia no palco de cinta liga e corselet e quebrava tudo! Shortinho jeans com uma camisa mais larguinha e óculos aviador é a cara dela e a cara de um sábado à tarde fazendo compras na Vila Madalena, para ficar confortável na hora de encerrar o dia com uma cervejinha. Além disso, muitas peças bem femininas, que também andam dando o tom nas tendências de inverno, como rendas e peças com cara de lingerie.

Cherie Currie, ao vivo

 Dá uma olhada nessas dicas (na fotinho abaixo), sobre como copiar o visual. Eu ainda acho que é meio over para os nossos tempos (e se considerarmos que é um look para performance), mas acho que o corselet combinado com um jeans bacana e um make estilo Cherie vão muito bem pra balada!

No make, muito delineador e rímel. Um esfumadinho com sombra grafite completa o estilo. Lembre-se: se você vai se inspirar nos anos 70, os olhos são tudo! A Robin Matthews, maquiadora do filme, criou um canal de vídeos, em parceria com a (ótima) marca Make Up For Ever, em que ela ensina a fazer o visual das meninas. Dá uma olhada (clicando aqui) e não esquece de me contar o que você achou.

O portal da MTV fez uma matéria sobre o estilo do filme The Runaways e vale a pena conferir para ver como o visual daqueles dias é totalmente adaptável aos nossos. Clica aqui para ver! Inclusive, sabe quem interpreta a Cherie no filme? Dakota Fanning, uma das minhas musas. Loucura, né?  É ela na foto aí em cima, junto com a menina do Crepúsculo, que interpreta a Joan Jett. Olha como elas estão parecidas e como a Dakota ficou mara nesse estilo:

Se você curtiu o estilo ou, pelo menos, se interessou pela história dessas meninas vanguardistas, o trailer do filme já está no Youtube (para assistir, clica aqui).

Beijos e bom final de feriado!

Make de festa – inspirações

28/03/2010

A partir de hoje eu sou uma mulher com uma missão! O casamento da minha amiga é sábado e eu tenho somente 6 dias para achar o make e o cabelo perfeitos.

Aí comecei as minhas pesquisas hoje. Adoro tranças e não poderia estar mais feliz com essa mania boho de cabelos trançados! Meu problema é que anda me faltando comprimento. Meu cabelo não é exatamente curto, ele é exatamente médio, assim um pouco abaixo dos ombros. Daí não dá pra fazer aquelas tranças loucas, né, tipo as do Alexandre Herchcovitch. Mas nada de desespero! Uma das minha ídolas mor, a sempre linda e elegante Diane Kruger, também tem o cabelo exatamente médio e conseguiu fazer um auê com as trancinhas. Olha só:

To achando que esse vai ser o meu escolhido. Também to mega apegada ao couchignon da Nicole Kidman na fotinho abaixo:

Só tem um pequeno detalhe, ou melhor, um detalhe monstro: eu vou totalmente precisar de um aplique, né? Pelo menos para dar esse volumezinho dentro dele. Isso ainda é uma idéia em desenvolvimento, porque eu pretendo me acabar nesse festão e não dá pra fazer isso preocupada com o aplique, né?

Daí comecei a refletir sobre o make. Eu to cansada do olho preto. Por vários motivos: eu ando numa vibe mais brilhante, mais leve. E porque o olhão preto esfumado é a escolha de 89% das mulheres da festa. Daí me cansa porque parece que ninguém consegue pensar em nada melhor. Meu único obstáculo é que o meu vestido é azul profundo. Daí fiquei com dificuldade pra mexer com cores, até que eu esbarrei nessa foto:

Me apeguei em vários níveis! Primeiro, é fresh! Não parece que a Freida Pinto passou o dia inteiro no salão pra fazer, as cores realçam o marrom dos olhos e da pele, é colorido sem ser “acabei de sair dos anos 80” e é jovial. Eu totalmente passei da fase de querer parecer mais velha. Não preciso mais disso pra parecer madura (é, isso meio que acontece quando você atravessa a casa dos 24…) e agora eu quero mesmo é parecer mais nova! rsrs!

Por enquanto, essas são as minhas escolhas! Se vocês tiverem alguma sugestão, me mandem!!

Depois da festa eu posto umas fotinhos minhas para vocês verem como ficou e eu conto como eu fiz tudo.

Beijos!