Archive for the ‘Maquiagem’ Category

O dia em que a MAC me decepcionou

08/10/2010

Confesso que, mais uma vez, estou atrasada no debate. Mas acho que nunca é tarde para reforçar o coro, especialmente quando se trata de uma questão tão delicada quando pertinente.

Obviamente, eu sou uma fã absoluta e declarada de maquiagem. Mais do que isso, adoro observar como essa é uma ferramenta belíssima de expressão e de compreensão estética. Fico ridiculamente feliz quando vejo uma coleção nova, algo que me inspire a criar comigo mesma.

Fiquei muito animada quando li que a MAC lançaria uma coleção em parceria com a Rodarte, uma marca que conheço pouco, mas tinha me causado uma boa impressão. Não vi mais muita coisa sobre o assunto, até que li o artigo que a De Chanel na Laje escreveu. A coleção é mesmo muito bonita. Se não fosse por um detalhe impossível de ser ignorado: ela foi “inspirada” na situação das mulheres de Ciudad Juárez, uma cidade industrial altamente empobrecida e famosa pelo inacreditável número de mulheres que foram, e continuam sendo, estupradas e assassinadas, sem nenhuma resposta relevante da polícia local.

Não bastasse essa completa falta de senso e, convenhamos, de sensibilidade, a campanha é estrelada por uma modelo esquálida, maquiada para parecer um cadáver. Triste. Quando o mundo se esforça para tentar derrubar o conceito ridículo e datado de que beleza é sinônimo de transtorno alimentar, duas das principais marcas em atividade engatam com fé na contramão.

Campanha da MAC em parceria com a Rodarte: desnecessário

Quando a blogosfera crítica se engajou na luta contra a coleção, a MAC justificou-se dizendo que se tratava de uma ação para trazer atenção à situação de Juárez. Causa nobre? Discordo. Pessoalmente, acredito ser uma maneira muito esquisita de tentar jogar luz sobre um tema tão delicado. Não vejo como um esmalte chamado “Auschwitz” ou um batom “Darfur” teriam grande efeito no combate às raízes de um genocídio.

Mas o que realmente me deixa intrigada é ver que, mesmo com uma imensa estrutura de pessoal, as grandes marcas ainda estão longe de estabelecer limites para o seu “processo criativo”. Será que eles realmente não têm um RP com bolas pra falar “gente, má idéia”??

Os produtos

Ainda que a intenção realmente fosse botar holofotes em Juárez, para combater uma situação sobre a qual nem mesmo a ONU ou a Anistia Internacional têm controle, o que claramente não aconteceu, acredito que a MAC e a Rodarte poderiam ter encontrados meios mais sensíveis para fazê-lo.

O resumo da ópera é que a coleção foi cancelada. Acho que essa foi a única demonstração de bom senso nessa conversa toda. É tudo uma questão de perspectiva.

Para quem se interessar, o site da Anistia Internacional tem muitas informações sobre Juárez.

Beijos!

Anúncios

Emmy Awards 2010

01/09/2010

To atrasada, eu sei… Eu sou uma fã confessa de premiações de todos os tipos. Não é só porque eu acho que essas festas resgatam o clima de glamour que a gente vem perdendo cada vez mais, mas porque acho sensacional ver celebridades no meio de celebridades. É quase um metateatro! Mas vamos ao que interessa: cabelos, maquiagens e vestidos! Na minha opinião, essas são as melhores e piores:

Listinha dos piores:

1. Stephanie Pratt. Não assisto The Hills e não sei quem é essa moça, mas ela parecia um saco de estopa. Vestido estilo pijama esquisito não combina com a maior premiação do seu ramo. Cabelo com cara de acabei de acordar cai bem quando o resto “orna”, como diria a Vanda.

2. Lauren Grahan. Eu amo a Lorelai, mas ela estava parecendo uma vovó nesse vestido. Não caiu bem. O cabelo tinha tudo para ser maravilhoso, mas não me conquistou.

3. Anna Paquin. Eu tinha achado esquisito. Tinha algo que não me caia bem, mas eu não sabia exatamente o que. Daí a comentarista da TV falou que parecia uma roupa de toureiro. É isso mesmo, eu vejo esse vestido em Madrid. Ta bom que o “assessório” ajuda…

4. Sofia Vergara. “Ah, mas ela entrou na lista das mais bem vestidas, lálálá”. Ta, mas eu achei que ela ta parecendo uma banana.

Listinha das melhores:

1. Jewel. Adorei o vestido com cara de “cheguei de Paris”. Gosto de coisas exóticas, mas sem ser roupa-instalação. Aliás, me lembrou o vestido da Anna Kendrik no Oscar, que eu amei.

2. Tina Fey, sempre. Para mim é uma das únicas pessoas nesse ramo que realmente sabem ser elegantes. Ela é muito discreta, mas sempre muito bem vestida. E humor é tudo.

3. Kim Kardashian. Não gostei da maquiagem, basicamente porque eu acho que o lábio riscado de lápis mais escuro que o batom é a coisa mais anos 80, no mau sentido, da paróquia. Mas o vestido estava maravilhoso e o cabelo, muito apropriado para o estilo.

4. Kelly Osbourne. Eu acho a moça feia que dói, mas até que ela disfarça bem. O vestido é lindo de morrer e cai super bem. A maquiagem e o cabelo também valorizaram demais o estilo vintage chic dela.

 Queria falar mais, mas o trabalhando anda me consumindo ultimamente! Me contem o que vocês acharam!

 Beijos

A melhor matéria!!

13/08/2010

Momento recordar é viver: criei esse blog porque cansei de ver mulheres achando que para serem bonitas, tinham que estar na capa da Nova, exatamente com aquela cara botocada e dura. Porque é uma mentira deslavada!!!

No entanto, o grande problema dessa idéia toda é que nós mesmas alimentamos esse círculo vicioso. Ao consumir, aplicar e distribuir a enganação da beleza perfeita, estamos apenas reforçando ainda mais a sobrevida dessa mania provinciana.

Daí eu encontro essa matéria no Terra. É claro que todo mundo se refestela vendo foto das chiques e famosas sem maquiagem e sem photoshop, mas essa eu achei particularmente fantástica por duas coisas: além de evidenciar o poder do make, nos mostra que nem elas são… elas!!

Clica aqui!!

Choquei mesmo foi com a Jessica Biel, que eu sempre achei o topo da cadeia alimentar feminina. Quase cai da cadeira na hora que eu vi a foto “verdadeira”. A Goldie Hawn dá até uma dozinha, porque é difícil entender o que leva uma pessoa a fazer uma coisa dessas consigo mesma, quer dizer, tem tanta injeção ali que a cara dela deve ser uma peneira… Depois a gente pode até organizar um debate e eleger a melhor transformação!

Me digam o que vocês acharam!

Beijos

Pelo menos uma boa notícia…

02/07/2010

Ladies, quando os deuses fecham uma porta, eles abrem uma janela. A Seleção foi eliminada e botou fim no sonho do hexa, mas o grupo LVMH reanimou o sonho da Sephora no Brasil.

A notícia, que havia sido desmentida há algum tempo, voltou a tona com a compra de 70% da Sack’s pelo grupo. Para quem não sabe, o LVMH controla a Louis Vuitton, a Gucci, a Moet Chandon, enfim, grandes marcas, Sephora entre elas.

Segundo o diretor do grupo, a idéia é iniciar os trabalhos com e-commerce e partir para as lojas no início do ano que vem.

Se eu não vou ver o Brasil na final da copa do mundo, vou me acabar na Sephora.

Beijos ainda tristes e ainda revoltados…

Um rímel para chamar de seu

10/06/2010

O politicamente correto é a gente falar “máscara para cílios”, né? Mas eu sou daquele tempo que a gente fala rímel mesmo. E sempre que me perguntam qual é o melhor rímel de todos, minhas resposta é ensaiada: depende! Depende de um mundo de coisas, minha gente. Mas a pergunta chave aqui é: qual é o efeito que você quer?

O lance é o seguinte: os cílios são basicamente iguais aos cabelos. Cada um tem o seu, com as suas particularidades. Da mesma forma que o shampoo que deixa o meu cabelo lindo, um produto power para cabelos tingidos, vai deixar o cabelo da minha amiga de raiz mega oleosa um nojo.

Portanto, empregar a arte da observação é essencial para escolher um rímel que caia como uma luva pra você (e não jogar um rio de dinheiro fora). Eu, por exemplo, tenho os fios retos e ralos (igualzinho ao cabelo). Dessa forma, meu rímel ideal precisa curvar e dar volume. Eu não acredito em rímel sem curvex, mas essa é uma alucinação minha. Conheço meninas que conseguem um bom efeito só com a tinta. Se os seus cílios são curtos, você precisa de um produto que alongue. Se são espaçados, precisa de um preencha o espaço entre os fios. Esse é o ponto 1.

Ponto 2: Não confie demais no fabricante. Se dependesse do que eles falam, todos os rímeis fariam milagre. Na hora de comprar é importante prestar atenção no aplicador e na densidade do produto. Testa mesmo, sem vergonha. A matemática do aplicar funciona mais ou menos assim:

Cerdas curtas e grossas: retêm o produto entre as fios e aumentam o volume dos cílios.

Cerdas finas e duras, tipo um pentinho: alongam os cílios e impede que o produto “empelote” nos fios.

Escovinha clássica ou em espiral: ótimo para dar volume. É o modelo mais indicado para quem tem poucos fios.

Escovinha côncava (em formato de C): volume e curvatura em um só produto. Essa é a minha escolha!

Cerdas que parecem um ouriço: o negócio dele é que a escovinha permite que você aplique o produto em qualquer ângulo. É meio tricky, tem que ensaiar.
Vamos lá, da esquerda para a direita: 1. Cerdas curtas e grossas, o primeiro tipo. 2. Variação do pentinho. 3, 4 e 5. Variações da escovinha clássica. 6. Pentinho. 7 e 8. Escovinhas côncavas. 9. Ouriço. 10. Escovinha de cerdas coloridas. Igual ao resto, mas te permite saber quando o rímel está acabando.
 
O preço do seu escolhido pode variar entre todas as cifras possíveis. Dá para comprar Maybeline na farmácia por R$ 13,00, ou Chanel por uns R$ 200,00. O meu escolhido, o rímel que eu chamo de meu há anos, é o Hypnôse, da Lancôme. Eu uso o Hypnôse Drama (R$ 142,00 na Sacks) combinado com o Hypnôse normal. O Drama dá um mega volume e o normal faz a curva perfeita (o mesmo preço, na Sacks).
Eu, pessoalmente, não gosto e não uso rímel a prova d’água. Pelo seguinte: a fixação do produto é tanta que retirá-lo se torna um tarefa dantesca. Se você não tiver muita paciência e um demaquilante dos mais potentes, o rímel arranca seus cílios (e a gente já debateu sobre como eles demoram pra crescer, né?). Além disso, a cor pra mim é sempre preto, mas o rímel marrom fica lindo nas loiras e nas clarinhas. E, na minha opinião, rímel verde só fica bem na Lady Gaga, quando eu to de bom humor para testar meus limites (a Vogue não vai me convencer do contrário). Mas isso é uma escolha muito pessoal, né?
Concluindo a sessão de hoje, lembra quando eu falei sobre o Hypnôse Precious Cells (nesse post aqui), o  novo produto da Lancôme que promete ser mais do que um rímel, mas um tratamento para os cílios? Testei! Estou usando faz duas semanas e estou gostando do resultado. Já observei que os meus cílios estão um pouco mais cheios e mais resistentes. Acho que valeu o investimento!! Conto mais assim que tiver completado um mês, que é o tempo que eles te dão para ver resultados.
Se aparecer alguma angústia, me escreve!
Beijos!!

Sobrancelhas

19/05/2010

Eu sou uma grande admiradora de sobrancelhas. Acho que um arco bem feito, condizente com a sua estrutura facial, limpo e arrumado muda o rosto e dá um ar imediato de elegância e cuidado.

O problema é quando eu vejo aquela sobrancelha detonada. Ou que nunca viu uma pinça, ou toda falhada, com cara de “fiz em casa”. Nossa, me dá uma vontade louca de ir lá e consertar. Quer ver como elas são importantíssimas? Olha a foto abaixo e me diz se você ainda acha essas moças maravilhosas:

É, né… Se você ainda não achava que já era hora de dar mais atenção a essa parte do seu rosto, lembra da Ugly Betty!

Eu totalmente não recomendo fazer mudanças radicais em casa. Por dois motivos: é difícil ter uma noção exata de proporção e tamanho quando você se olha no espelho. É uma questão de óptica. E o segundo, sobrancelha demora horrores pra crescer, então, qualquer errinho vai ficar estampado no seu rosto por uns 3 meses.

O primeiro passo é procurar uma boa designer de sobrancelhas. Ela vai te indicar o melhor desenho, aquele que combina melhor com o formato do seu rosto e dos seus olhos, e que se adapta à estrutura dos seus pêlos. Peça para que ela te ensine qual é o produto mais indicado para preencher as falhas e se você precisa de algum fixador para manter os pelinhos no lugar. Um rímel transparente sempre vai bem para quem tem pêlos grossos ou excesso.

O arco perfeito respeita algumas regras de proporção:

O início da sobrancelha começa em um linha vertical que parte da lateral do seu nariz (ponto A). O arqueamento, ou seja, o ponto mais alto do arco, fica em uma linha diagonal traçada entre a lateral do seu nariz e o canto externo da sua pupila (ponto B). Ela deve terminar em uma linha também diagonal que parte do mesmo ponto do nariz e cruza o canto externo do olho (ponto C). Olha na prática:

Você pode usar esse diagrama sempre que for limpar a sobrancelha em casa, porque a manutenção é tão importante quanto se dar ao trabalho de ir ao salão. Depois te limpar os pelinhos que nascem fora do arco desenhado, você pode aparar os fios longos com ajuda de uma tesourinha de banheiro ou de uma tesoura específica para sobrancelha (ela é meio tortinha). É só pentear os pêlos para cima com ajuda de uma escovinha e cortar aqueles que ficam mais longos do que o traçado superior.

Tesoura para sobrancelhas

Sobrancelhas desenhadas e aparadas, é hora de cobrir as falhas. Você pode fazer isso com lápis, sombras ou produtos específicos para isso (já falei sobre isso nesse post). O importante é ter em mente que não dá para mudar o traço da sobrancelha com maquiagem sem parecer um travesti ou sua tia de 87 anos. O make serve para cobrir as falhas e deixar o arco cheio e valorizado. É só ter bom senso e mão leve que não fica nada artificial. É preciso dar muita atenção à cor, porque fios da sobrancelha costumam ter um tom mais acinzentado.

Se você vai usar lápis, de preferência aos que foram desenvolvidos pra isso. Eles são mais leves e tem uma fixação melhor. Já a sombra é mais fácil, é só se certificar que ela não tem brilho nenhum (porque sobrancelha com glitter só em festa a fantasia). Independente do produto que você usar, eu sempre recomendo passar um pincel chanfrado por cima para tirar o excesso e ficar bem leve.

Dicas de produtinhos: Brow Shadow, da MAC (R$ 70); Solução para Sobrancelhas, do Boticário (R$ 36) e Natural Eyebrow Pencil, da Shiseido (R$ 112). 

Beijos!

Etapa II – Cuidando dos seus cílios

13/05/2010

O melhor jeito de limpar os cílios, mesmo quando você resolveu colocar aquele rímel power que não sai nem depois de assistir Titanic ou a Oprah num dia inspirado, é caprichar no demaquilante. Coloca um pouquinho no algodão e pressiona (levemente) sobre os cílios durante alguns segundos. Depois, é só fazer alguns movimentos suaves e lavar com seu sabonete facial de costume. Esfregaço não leva a nada, a palavra aqui é “suave”.

Eu sou meio infiel para demaquilantes, gosto de ir testando vários e ainda não achei um que me faça parar tudo. No momento, eu to usando o da L’oréal Expertise, o Limpeza Express, e estou gostando bastante. Não é caro e você encontra em qualquer farmácia. Recomendo muito o da Neutrogena e o da Clinique, mas o preferido entre maquiadores e turma da maquiagem é o Créaline H2O, da Bioderma, mas só da pra achar nos Estados Unidos e na Europa. Vou tentar encontrar algum site que venda pra cá.

***UPDATE*** Esse demaquilante da L’oréal (aprovadíssimo pela minha pessoa) está custando R$ 36,00, em boas farmácias.

Outra boa dia é o shampoo de bebê da Johnsons’, o Chega de Lágrimas. Ele tira todo o restinho de rímel e deixa os cílios bem limpos. Mas não recomendo usar todos os dias, só depois de maquiagem de festa ou uma vez por semana para dar aquela limpada caprichada, porque ele resseca um pouco a pele ao redor dos olhos (e não adianta ficar com os cílios lindos e a pele toda enrugada).

Beijos!

Lançamento para ficar de olho!

13/05/2010

Os produtos para tratamento dos cílios estão com tudo fora do Brasil. O Latisse (que só chega aqui em 2011) foi o primeiro e liderou o caminho para que outras grandes empresas investissem no tratamento, e não só na maquiagem, desse partezinha que faz toda a diferença no nosso rosto.

O fato é que cílios são mesmo complicados. Apesar de parecerem cabelos normais, os fios são muito mais frágeis e os folículos capilares, mais sensíveis. Isso significa que são fios que demoram muito para crescer e que caem ou quebram com muita facilidade. Dormir de maquiagem não é só um veneno para a pele, mas extremamente prejudicial para a saúde das suas pestanas.

A Lancôme lançou o Hypnôse Precious Cells, um rímel que promete deixar os seus cílios maravilhosos por muito mais do que um dia. Ele tem ativos em sua fórmula que prometem deixar os cílios mais fortes e volumosos, de verdade. Por enquanto só está à venda na Europa, mas eu aviso assim que tiver notícias do produto por aqui. Na Sephora está custando 26,70 euros.

Está na minha listinha de compras para as férias e eu dou o relatório assim que tiver testado! Enquanto nem ele nem o Latisse chegam por aqui, vai cuidando direitinho dos seus cílios, removendo a maquiagem com cuidado e aplicando o curvex sem violência.

Se alguém já tiver encontrado o produto, me conta tudo!

Beijos

Baile do Met – parte II

10/05/2010

Aham, to mais calma! Hora de continuar minha análise um pouco retardatária sobre os melhores e os piores do Met Gala. É sempre mais divertido começar pelos piores, né?! Acho que é uma coisa meio freudiana nossa, de se divertir vendo como, mesmo podendo tostar fortunas em make e em roupas, algumas famosas ainda erram feio. Quer um exemplo? Olha só:

Kirsten Stewart provando que Chanel não faz milagre. Tenho a impressão de que ela sofre do mesmo problema da Taylor Swift: inabilidade em abandonar costumes. A diferença é que a Taylor não muda porque fica linda. Mas a distinta aí em cima peca no cabelo (que eu não entendi até agora) e no vestido, inexplicavelmente estranho. A perna dela parece encurtada e mais grossa, completamente desproporcional em relação ao resto. Não vou falar mal do make porque não vi nenhuma foto de perto. E ela nem levou o vampiro gatinho à tiracolo pra enfeitar…

Gwen Stefani pecou no vestido, da grife dela (L.A.M.B.), mas pelo menos tinha o Gavin Rossdale como acessório. E um belo make que salvou o visual inteiro.

Gwen Stefani com o maridão, enfeitando a foto ali atrás

Agora migrando para o top list das melhores da noite! Zoe Saldana se reabilitou depois daquela coisa incompreensível que ela usou no Oscar e arrasou em um Calvin Klein de um ombro só que era elegantérrimo. A cor, um marinho profundo, ficou linda na pele dele e a textura dava muita personalidade ao vestido. O make e o cabelo com perfeição a proposta simple chic do look. Dois dedos pra cima!

Finalizando o post de hoje (pode ser que eu ainda tenha ataques de Met Gala!), as meninas que escolheram o nude acertaram. SJP (forever) estava linda, leve e solta em um Halston Heritage nude brilhoso, com uma pegada vintage. Achei que a combinação do vestido com o arranjo no cabelo, as ondas antiguinhas e o make deixaram a Carr… ops, Sarah com cara de 10 anos mais nova, mas sem fazer muito esfoço. Amei!

Anne Hathaway com um Valentino bem Diário de uma Princesa. Percebam que ela diminuiu o tom do vestido com make e cabelo simples, estilo fiz em casa. Ficou chiquérrima parecendo que nem se esforçou tanto. Claro que a gente sabe que tem muuuuito esforço aí, mas ela meio que te diz “sou linda assim mesmo”.

E o Troféu Lady Gaga da noite vai para… SURPRESA, não é para Lady Gaga dessa vez. Vai para Katy Perry, com um vestido-instalação luminosa. Ela, literalmente, chegou brilhando. Ainda não digeri a idéia totalmente, mas eu adoro uma coisa avant garde, então, acho que eu vou adorar daqui a uns 2 dias… Anyway, to curiosíssima pra saber onde ela ligava esse vestido… Amei o make e o cabelo, mas eu amo sempre porque ela é linda. Ah, antes que eu esqueça, o vestido é de uma marca francesa chamada Cute Circuit.

Não vou comentar sobre o Marchesa da Blake Lively porque eu achei curto demais. Mais uns centímetros de tecido pra baixo e estaria perfeito. Achei too much, meio “vai ter gente famosa demais e eu preciso me destacar”. Não gosto, mas o que sobra do vestido é mesmo muito bonito e bem feito. Marchesa, né? Só que um tamanho menor do que deveria ser…

Me contem o que vocês acharam!

Beijos!!

Baile do Met!

07/05/2010

To super atrasada com esse post, eu sei!! Mas vou fingir que ainda dá tempo…

O Costume Institute Gala é o tradicional baile beneficiente organizado pela Vogue no Metropolitan Museum of Art. Segundo principal evento no quesito red carpet (o primeiro é o Oscar, né?) o Baile do Met, como é conhecido no mundinho, tem uma pegada mais fashion do que todos os outros grand comites que ganham as páginas das revistas.

O problema dessa tendência fashionista é que as pessoas às vezes confundem vanguardismo e informação de moda com pura falta de bom senso. A gente não pode esquecer que o look perfeito é a combinação do traje adequado (à sua idade, ao seu corpo, entre outros fatores) com um make e um cabelo que arrematam tudo com estilo e elegância. Quer um exemplo? A Sienna Miller é linda e acertou em cheio em um make com um olho marcado em cima e boca nude. O cabelo estava mara, com um jeitão bem natural, massss o vestido… Era uma coisa esquisitíssima.

Um dos meus looks favoritos foi o da Camilla Belle, que estava muito fina com um make quase nada, mas um olho de gatinho bem puxado que fez toda a diferença. O vestido, um lindo, elegante e simples Jason Wu, era um dos poucos coloridos com emoção, que fugia do básico preto-metálico-nude.

Camilla Belle de Jason Wu

Já a Rachel Zoe, stylist das famosas, também tentou usar cor, mas eu pessoalmente acho que não rolou. Eu adoro amarelo e adoro textura, mas achei esse look um grande não. Ela é baixinha e esse Marc Jacobs não favoreceu niente.

Rachel Zoe de Marc Jacobs

 ***Update com foto*** Lembrei de uma coisa que eu queria falar. Eu acho a Taylor Swift realmente muito bonita. Mas ela não varia nunca, é sempre o mesmo make olho-nada-bocão-vermelho, com as mesmas ondas vintage e o mesmo vestido romântico. SEMPRE. Taylor, queria ver você diferente! 

Por hoje, vai ser só isso, minha internet, por algum motivo, está pela hora da morte e esgotando a minha paciência. Mas eu volto com mais do Baile do Met assim que meu inferno astral der uma trégua!

Beijos e bom fim de semana!